1+3 : Uma Regra

A partir do dia em que comecei a levar a escrita mais a sério e percebi que escrever não era apenas um hobbie que me mantinha ocupada e divertida por algumas horas, decidi que só o ia fazer sempre que realmente sentisse que o que estava a escrever me transmitia algum tipo de sentimento (por isso é que nem sempre publico conteúdo todas as semanas, apesar de ter montes de notas guardadas no meu bloco preferido). Comecei, ao máximo, a evita forçar os meus pensamentos e sentimentos para criar conteúdo, mesmo que isso significasse que ficava sem escrever um dia ou uma semana porque sempre que leio são as palavras sentidas que fazem a maior diferença, que ficam na memória e provocam algum tipo mudança no ser humano ou pelo menos provocam mais vontade de mudar e acreditar. 

As palavras fazem diferença e quando sabemos que as conjugamos numa melodia carinhosa e realista a canção fica no ouvido e lembra-nos que realmente somos capazes de superar os nossos medos, que somos mais felizes do que a maioria das vezes fazemos transparecer nos nossos dramas, que afinal o mundo não é assim tão complicado e que lutar não é assim tão difícil como parece e no final das contas vale mesmo a pena. E é isso que quero fazer com a minha escrita, falar através da mesma com pessoas que nunca vi, que não conheço e dizer-lhes que está tudo bem e que o mundo tem soluções para tudo, basta procurarmos. É desafiador, poder desenvolver este tipo de diálogo à distância com alguém, sem realmente falar com alguém e sem saber se a mensagem foi transmitida porque as respostas do diálogo é um silêncio meio agridoce. Deixa-me feliz como nunca me vou sentir na vida, principalmente por a escrita me dar uma voz que transmite esperança de diversas formas ao dizer o que as pessoas precisam de ouvir no preciso momento que as deviam de ouvir.

Escrever é emocionante e algo inesperado porque nunca sei quando me podem surgir sentimentos e pensamentos dignos de algo que considero relevante, portanto ando sempre com um caderno de notas comigo para apontar tudo aquilo que realmente acho que vale a pena. E sim ando com um caderno porque sou old school, prefiro uma folha e uma caneta a escrever no bloco de notas do telemóvel - sabiam que a sensação é bem mais gratificante? Escrevo a qualquer hora, em qualquer lugar, sobre o que me surgir - invento histórias, descrevo sentimentos, comparo sorrisos e vidas que passam por mim numa passada de fugida. Não tenho inspiração todos os dias, mas quando fico com os sentimentos à flor da pele, a escrita ajuda-me é o meu refugio e o meu modo de autocontrolo pessoal. E uma das coisas que mais fui aprendendo com este estilo de vida é que as ideias fluem quando tiverem que fluir e nunca deixam de existir. Se não conseguires por em palavras aquilo que realmente queres ou necessitas de dizer é porque ainda não é altura certa. A escrita é uma dádiva que nos foi dada por ser um amor eterno.



4 comentários:

  1. Gosto bastante deste teu mindset e concordo contigo! Tudo o que escrevemos e partilhamos tem de ter algum significado, caso contrário... para quê?

    https://opequenogirassol.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não tiver nenhum significado, então qual é o motivo pelo qual estamos a partilhar algo... Qual é o objetivo? Apenas partilhar não acrescenta nada de novo aos outros, nem a nós.

      Eliminar
  2. Também gosto tanto de escrever! Tenho que passar a fazê-lo com mais frequência, sinto que descurei desse hobbie...

    Kiss, Mariana Dezolt
    Messy Hair, Don’t Care

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apoio totalmente, e gostava muito de conhecer a tua escrita!
      Beijinhos

      Eliminar