BOOK REVIEW : A Civilização do Espetáculo


MARIO VARGAS LLOSA (224)

__

Não é um livro pelo qual fiquei completamente rendida, porque apesar de ter sido Prémio Nobel da Literatura em 2010, o que para mim deixou-me as expectativas bastante elevadas logo de principio, não o voltaria a ler.

Não foi uma má experiência de todo, até porque existem perspectivas abordadas com as quais concordo plenamente e outras com as quais não concordo de todo, mas todas estas igualdades e desigualdades de opiniões acerca da evolução e a desvalorização do mundo do espectáculo torna todo o conceito mais poderoso e debatível. E acho que era o que o autor pretendia - tornar as artes num conceito que o mundo falasse mais vezes, como se se tratasse de uma conversa de café.

No entanto apesar do objectivo primário ter sido atingido com sucesso, o que o desvaloriza é o modo como o livro foi construído. Isto porque, o desenvolvimento dos conteúdos estão muito lineares e pouco desenvolvidos, assim como os argumentos utilizados para sustentar o desenvolvimento das artes e as sua desvalorização com o tempo são demasiado banais e todo este conjunto demonstra um culminar de um estudo fracassado. Porque o que lê-mos não passa além de um conjunto de estudos agrupados por temas e ordenados de forma crescente no tempo. A enumeração de tantos pontos negativos que foram aparecendo com o tempo a nível das artes tornou o conteúdo comercial e descartável. Na minha opinião para se ter conteúdo crítico expressivo e relevante é importante ver ambos os lados da questão - pontos positivos e negativos.

As pessoas que estiverem mais atentas aos media e mantiverem a sua literatura de cabeceira actualizada, consegue visualizar esses mesmos problemas que existem na área em questão e ainda lhes permite argumentar assertivamente acerca dos temas abordados no livro.

Para concluir e considerando que estamos perante uma literatura crítica, na minha opinião, este tipo de livro deveria acrescentar algo de novo ao leitor, o que não acontece devido a todos os pontos que já foquei anteriormente. Ainda assim, consegue colocar o leitor a pensar no porquê de não se falar nas artes como se fala do tempo. Contrabalançando os pós e contras, não recomendo a leitura do mesmo, visto que não foi bem, nem mal conseguido, simplesmente não trás nada de novo.

Sem comentários:

Enviar um comentário