POETRY IN FULL MOON

Não sei se os meus gritos vomitam poesia como me contam, mas sei que vomitam silêncios constrangedores na minha cabeça, constantemente. Nostalgia. Existem demasiadas epifanias em versos com enigmas inúmeros em combate no escuro das entrelinhas dos meus pensamentos.

Acho que os poetas são loucos desde a sua própria origem, a culpa é do sangue que lhes fizeram correr nas veias. Eles só vivem e morrem por viver. Servem até à morte a poesia que lhes torna o sangue venoso sensível ao ar que respiramos por ambição.

São as almas menos retorcidas, sinceras e mais cativantes. Os seres mais ridiculamente apaixonados e estupidamente inocentes. Mas soa tudo tão bonito neles. Não existe o mal, até a tristeza é suficientemente pacífica de se sentir sem se querer que acabe em segundos. As palavras ouvem-se diferentes por cada eco fechado entre consoantes viscerais e sílabas agudas.

Os poetas são almas preclaras em corpos comuns.

Aprenderam a viver com o mundo e com a realidade. Sabem ver tudo tão bem e viver com a maior das satisfações inocentes, que a calma dos seus dias é a rapidez do final dos nossos.

8 comentários:

  1. A foto está fantástica e adoro o texto :) Acho que os poetas são de facto fantásticos mas mais atormentados do que fazem parecer!!

    ResponderEliminar
  2. Texto fantástico , gostei imenso. E da fotografia também. <3
    The Fancy Cats

    ResponderEliminar
  3. Inspiraste-te na conversa que tivemos há uns dias atrás, acho isso magnifico! Sempre te admirei muito e sempre tive um amor de outro mundo pelo que escreves. Um dia, espero comprar um livro teu Inês.
    És a interpretação da poesia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, a nossa conversa deu-me asas chegar a isto! Um dia pode ser que fique doida o suficiente para o escrever, obrigada!

      Eliminar
  4. "sei que vomitam silêncios constrangedores na minha cabeça, constantemente" - identifiquei-me tanto mas tanto com isto <3

    http://venus-fleurs.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Gostei imenso do texto :) Mas acho o contrário, os poetas são bastante tempestuosos!

    ResponderEliminar
  6. Nês, que é feito de ti, menina que nem mail possuo para soprar um "Olá", ou um "Que tens feito?..."?
    Fazes falta... fazes-me falta... pois és um foco de inspiração que me acrescenta e acirra.

    Beijo imenso, de saudade de te beber.

    ResponderEliminar